Arquivo do autor:Aurélio Belas

Sobre Aurélio Belas

Especialização em Prótese Dental pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO/GO) // Especialização em Periodontia pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO/GO) // Especialização em Radiologia pela (pelo) Profis (USP), Bauru, SP // Docência no curso de especialização em Implantodontia da Associação Brasileira de Odontologia (ABO/DF), Brasília, DF

dificuldade-mastigacao

Você tem dificuldades na mastigação? Isso pode causar problemas de saúde.

Quando estamos comendo um alimento, nunca imaginamos a quantidade de músculos e articulações que entram em ação, pois, no ponto de vista odontológico, mastigar é bem mais complexo do que parece. São inúmeras ações que são responsáveis pelo abrir e fechar da boca durante a mastigação. Por isso devemos ficar atentos de qual forma é a correta para no futuro, não ocorra uma série de complicações.

A importância de uma frequência regular ao dentista evita que o problema se agrave e assim seja diagnosticado, corrigindo-o com mais eficácia. Podem ocorrer transtornos na articulação da mandíbula, que alteram a musculatura facial, problemas na oclusão dentária, luxações na articulação têmporo-mandibular, bruxismo, tumores e alterações de desenvolvimento ósseo, espasmos nos músculos mastigatórios.

O mais comum entre eles é o bruxismo, já conhecido de muitos como “briquismo”, que é o ranger dos dentes durante o sono ou uma pressão excessiva durante o dia ocasionando fortes dores de cabeça e até irritação. Dificilmente é identificado pelo paciente, e logo é julgado por stress, mas não é tão simples assim, cerca de 15% da população é atingida, tanto pra homens quanto para mulheres. Não é uma doença, mas já é um alerta pra algo que não está funcionando bem e que precisa de um cuidado especial.

Além do exame físico, também podemos contar com exames de imagem como radiografias, tomografias, e a ressonância magnética, que são de suma importância para o diagnostico do paciente. Para aliviar os sintomas recomendamos placas de mordia, que além de aliviar as dores, preservam os dentes evitando os desgastes da mastigação; próteses dentárias; tratamentos ortodônticos; relaxamento da musculatura facial acompanhada e também, não menos importante, mas de grande efeito contra as dores, bolsas de água quente na região de onde se origina as dores.

Não existe cura definitiva para os problemas originados de má mastigação, mas o tratamento contínuo ajuda a combater os sintomas, uma boa dica é praticar atividades físicas ou de lazer que aliviam o stress, pois o aumento da tensão sobre o problema só tende a piorar a situação do paciente. Por isso, se seu problema já está em um nível critico, procure nosso Hospital Odontológico CIR, marque sua consulta que faremos um diagnóstico completo da sua situação e lhe encaminharemos a todos os nossos setores, do clinico ao fonoaudiólogo, para que sua situação seja solucionada com o maior conforto possível.

higiene bucal depois de fazer um implante

Higiene bucal depois de fazer um implante?

Como cuidar da higiene bucal depois de fazer um implante?

Implantes dentários, hoje são cada vez mais comuns, e com certeza conhecemos sempre alguém que já passou por esse tipo de tratamento. O que muitas pessoas imaginam é que após a colocação dos implantes o tratamento chegou ao seu ponto final. O que na verdade, é um começo de uma nova etapa de tratamento. Assim como na dentição natural, os implantes devem ser higienizados com mais rigor e com um acompanhamento periódico do dentista especialista nesse tipo de tratamento. Nos primeiros meses, os implantes dentários passam por ajustes da mandíbula para melhorar a mordida, é analisada a higienização que está sendo feita em casa pelo paciente e dependendo da complexidade do implante que varia de acordo com o paciente, ela passa por um processo de limpeza mais profunda, especial e profissional na própria boca do paciente.

Algumas doenças são desconhecidas de muitos pacientes que fazem o tratamento com implantes dentários como a “mucosite” e “periimplantite” (inflamações na gengiva e no osso que podem levar à perda do implante). Ambas são comuns quando não é feita uma higienização adequada pelo paciente ou quando não há uma frequência adequada ao dentista para realizar um monitoramento posterior ao tratamento. São doenças silenciosas, pois não apresenta sintomas aparentes e quando o diagnóstico é realizado muito tarde pode causar a perda total do implante. Os principais sinais de que algo pode estar errado com os implantes dentários são sangramentos agudos e frequentes gengivais e alterações na cor da gengiva. Quando o estado do paciente é mais grave podem apresentar dores, inchaços e mobilidade do implante. Assim que o paciente notar um desses sintomas, deve imediatamente procurar um periodontista especialista em implantes dentários.

A prevenção dessas e de outras doenças requer uma cooperação do paciente com uma boa limpeza diária realizada em casa, consultas regulares ou frequentes ao dentista são de extrema importância para a melhor saúde dos dentes e implantes. Existem alguns produtos que auxiliam o paciente na higienização diária das próteses e esses produtos variam de paciente para paciente e de situação pra situação. Procure orientação com um especialista sobre os produtos, prevenções e tratamentos. Não deixe pra última hora. Realizar um procedimento tão importante quanto este em um lugar com estrutura hospitalar completa é o ideal para você, nossa equipe, formada por profissionais altamente qualificados, já realizou mais de 23 mil implantes dentários e garante um sorriso sadio e duradouro.

Header-Photo02

Limpezinha rápida nos dentes: quanto custa?

Quanto vale uma limpezinha rápida nos dentes? Hoje vamos descobrir quais são as diferenças entre profilaxia das consultas de manutenção, a chamada “limpezinha” tradicional.

É comum que os colegas dentistas tenham dificuldades em fazer com que os pacientes sejam assíduos nas consultas de manutenção. Isso, por vezes, interfere negativamente no tratamento e no período de duração dele. É importante, porém, que os profissionais da área saibam como abordar seus pacientes para mostrar a importância de fazer manutenções periódicas, mesmo quando o tratamento é finalizado.

Essas consultas consistem na realização de uma “terapia não cirúrgica”. Noutras palavras, nada mais é que a tradicional limpeza e profilaxia bucal, seguida de um exame clínico e radiográfico de rotina, para se detectar possíveis problemas. O objetivo disso tudo é apenas um: prevenção. O maior problema, nesse ponto, é que o dentista tem que cobrar o retorno e assiduidade do paciente, pois não se trata apenas de uma “limpezinha rápida”. Dependendo do caso, pode haver um acúmulo de placas bacterianas que, por vezes, leva à necessidade de se desmontar protocolos ou próteses fixas e removíveis, por exemplo. Por isso, uma profilaxia de manutenção pode levar até mais de uma hora, tempo necessário para que o dentista faça um check up completo da saúde bucal do paciente.

E quanto custa isso? Tempo e dinheiro? Não, a recompensa maior é o bem estar e a saúde bucal da pessoa, que fica sempre em dia. O problema é que muitos pacientes não gostam de pagar por essas limpezas diferenciadas, completas. Como resolver isso? Uma dica simples é fidelizar os pacientes pela boa educação. Invariavelmente, em cada consulta, o dentista deve disciplinar a pessoa antes mesmo de sair do consultório, explicando todo o processo que envolve uma reabilitação com implantes dentários, por exemplo, e a manutenção a longo prazo. Somente assim é que os pacientes continuarão assíduos na clínica no período de manutenção e perceberão que de nada adianta aquela limpezinha rápida. No fim das contas, acaba saindo muito mais caro.

O ideal é que tudo isso seja explicado e orientado aos pacientes na primeira consulta, aquela de avaliação, antes mesmo do início do tratamento. Os pacientes devem compreender todas as etapas e reconhecer a importância da manutenção realizada por profissionais gabaritados, como os que trabalham no Hospital Odontológico Cir.

Texto: Gustavo Frasão, do Hospital Odontológico Cir

Header-Photo01

Perda dos dentes após os 60 anos não é natural

Muita gente acha que é normal ter a perda dos dentes após os 60 anos, mas isso não é natural. Neste post, vamos mostrar o que pode ser feito para afastar os problemas bucais na terceira idade.

A receita é uma só em qualquer idade: a higiene bucal e uma visita adequada ao seu dentista. Não é natural que os dentes caiam se forem bem cuidados durante toda a vida, porque foram feitos para permanecer.

O que ocorre é que os dentes amolecem ou são perdidos por conta de diversos problemas bucais, mas que são totalmente passíveis de serem tratados e até mesmo prevenidos. No entanto, é certo que após os 60 anos algumas doenças que surgem em outras partes do corpo podem comprometer a saúde da boca. Por isso, é fundamental que você garanta a sua qualidade e faça acompanhamento profissional constante.

O Hospital Odontológico Cir está no mercado há mais de 23 anos e mantém uma infraestrutura hospitalar completa, com os profissionais mais gabaritados do mercado e equipamentos de última geração do mundo para atender, com excelência, a todas as especialidades da odontologia, inclusive recuperar e cuidar dos sorrisos após a terceira idade.

Se você tem diabetes, por exemplo, deve procurar o seu dentista porque, em tese, tem quatro vezes mais chance de sofrer com inflamações nas gengivas e perdas do suporte ósseo dos dentes. Isso acontece porque o excesso de glicose no sangue deixa o sistema imunológico vulnerável a processos infecciosos causados por bactérias e fungos. Este quadro favorece o surgimento de doenças na gengiva e pode provocar, a médio e longo prazos, a perda dos dentes.

Além disso, quando você mantém uma higiene bucal correta afasta outros problemas como cáries, uma das maiores responsáveis pela perda dos dentes. É importante fazer a prevenção de tudo isso em casa, desde a escovação correta com uso de fio dental ou escova interdental até a limpeza das próteses e mucosas.

Marque sua consulta. Estamos esperando por você, ainda hoje, para construirmos juntos o sorriso que você sempre quis.

Texto: Gustavo Frasão, do Hospital Odontológico Cir

Header-Photo(01)

Clareamento dental – água oxigenada queima os dentes

Parece loucura, mas é mas comum do que parece: muitas pessoas perguntam se a água oxigenada promove o clareamento dental. Nosso post de hoje é para quebrar esse mito de uma vez por todas.

A água oxigenada além de não clarear, ainda queima os dentes e pode provocar danos irreversíveis na gengiva, além de intoxicar o organismo e a mucosa da boca.

O assunto começou a entrar em pauta há alguns meses depois que vários internautas passaram a compartilhar esse tipo de informação nas redes sociais.

Por isso, todo o cuidado é pouco. Nas embalagens de água oxigenada, mesmo que não tenha nada escrito sobre clareamento dental, deixam claro que o uso delas não é bucal e, se usadas indevidamente, podem machucar bastante.

Se a sua intenç