Tenho dentes sensíveis e agora?

No dia-a-dia da clínica odontológica, muitas pessoas nos procuram com queixa de dentes sensíveis. Hoje não foi diferente, e o que me preocupa é que este problema vem aumentando consideravelmente.

A ingestão de alimentos ácidos (refrigerantes, sucos de frutas cítricas, vinho etc.) associada à escovação dentária feita de maneira incorreta ou com muita força, contribuem para o aumento da sensibilidade. Outros fatores como apertamento de dentes (bruxismo), e até refluxo gastro-esofágico (volta de liquido do estômago ou esôfago para a boca) também podem estar relacionados. Este problema é conhecido como erosão ácida.

Atendi um paciente, ainda jovem, com recessão gengival (retração da gengiva) em diversos dentes e muita sensibilidade nessas regiões. Em apenas 2 horas, fizemos restaurações com resina composta nas regiões próximas à gengiva. São restaurações estéticas e que não envolvem desgaste da estrutura dentária. Dessa maneira, conseguimos solucionar o problema de sensibilidade e a restauração da estética deste paciente.

O que fazer após a extração de um dente?

Você foi ao dentista e ele disse que é preciso extrair o dente. E agora?

Os dentes podem ser extraídos devido a vários motivos, entre eles, fratura de raiz, uma cárie muito profunda, quando não há espaço suficiente na boca, quando o dente não nasce totalmente e muitos outros. Mas e depois do dente extraído? Quais cuidados é preciso ter? Continuar lendo O que fazer após a extração de um dente?

Cárie de mamadeira

A cárie de mamadeira ocorre em crianças, geralmente entre 0 e 3 anos de idade, principalmente devido ao sumo excessivo de líquidos açucarados. Como nessa faixa etária a ingestão de líquidos é feita através da mamadeira, por isso o nome da doença.  Mas outro nomes podem ser dados a esse problema: cárie rampante, cárie precoce do bebê, síndrome da mamadeira noturna ou cárie por amamentação.

Continuar lendo Cárie de mamadeira

Antibiótico estraga os dentes da criança?

Esse é um assunto que sempre levantou polêmicas. Então vamos saber um pouco mais sobre isso.

Segundo uma pesquisa da universidade de Iowa, crianças que são tratadas com o antibiótico amoxicilina correm mais risco de ter problemas dentários durante a vida. 579 crianças foram acompanhadas desde o nascimento até 2 anos e 8 meses.

De acordo com a pesquisa, a amoxilina pode está ligada à danificação permanente de dentes e descobriu-se que seu uso de três a seis meses dobrava o risco de envenenamento por flúor, chamado de fluorose dental. No entanto, os pesquisadores afirmaram que novas pesquisas precisam ser feitas para comprovar de fato.

O resultado não aprova que as crianças deixe de utilizar a amoxicilina, mas recomendam o uso sensato do medicamento, sempre sob orientação de um profissional.

Para entender melhor como é age um antibiótico clique aqui.

Chiclete: mitos e verdade

A ideia de que chiclete é mania de criança está mais do que superada. Os adultos são tão fãs da goma de mascar quanto os pequenos.

Fato é que a indústria alimentícia tem se dedicado a criar produtos cada vez mais cheios de requisitos que se encaixem nas demandas da gente grande, como chiclete sem açúcar e chiclete que promete clarear os dentes, mas sem deixar de lado as versões coloridas, recheadas e de formatos mais variados para a garotada.

Todo tipo de chiclete provoca cárie

Mito. O açúcar presente no chiclete é o grande causador da cárie. Por isso, as versões diet e light podem ficar de fora dessa lista. Porém, alguns corantes e conservantes da composição das gomas podem ser feitos à base de amido e carboidrato, que vão se transformar em açúcar e também são nocivos aos dentes.

O chiclete pode ser benéfico para a higiene bucal

Verdade. A mecânica de mascar e o atrito da goma com os dentes provocam uma limpeza superficial dos dentes. Quanto mais espessa ela for, melhor será o resultado. Mas o chiclete não substitui a escova e o fio dental e nem tem o poder de remover a placa bacteriana ou prevenir a formação dela.

O chiclete alivia o mau hálito

Verdade. Com a limpeza superficial que a goma proporciona, o hálito é favorecido já que há a renovação das células da boca. Mas é uma ação momentânea. E não serve para todo mundo. Quem sofre com problemas bucais, como periodontite, cáries ou uma restauração danificada, pode ficar com o mau cheiro acentuado com o uso do chiclete.

Chiclete ajuda a clarear os dentes

Mito. Mesmo as versões que prometem esse benefício contêm concentrações muito baixas de peróxido (substância clareadora) para proporcionar algum clareamento. Além disso, ela não pode ser usada em altas concentrações na goma por ser um produto tóxico.

A goma de mascar é indicada para certos tratamentos bucais

Verdade. Em alguns casos, o chiclete é recomendado com ação de fisioterapia. Quando há inflamação dos músculos ou abertura limitada da boca (trismo muscular), o uso da goma é benéfico para minimizar o inchaço, fortalecer a musculatura bucal e recuperar os movimentos da mandíbula.

Fonte: Site UOL – Ciência e Saúde

*Dr. Aurélio Belas